Loja Domingos e Nogueira

DN_web02
Montra da loja: Domingos e Nogueira. Tipo de projecto: Iluminação de montras. Local: Loja Domingos e Nogueira, Rua do Terreirinho 78, Mouraria, Lisboa. Equipa: Paula Pinote e Carina Tavares. Material de iluminação utilizado: 1 Projector LED Spot, JETT da LTS, 3000 K, em calha de 1m da Eutrac; 5 led line, Balmy Light RGB azul de 1m, Specitron. Patrocinador: LTX – Iluminação Técnica, Lda.

Venda de peles, cabedais, sintéticos, solas, ferramentas e acessórios para trabalho de marroquinaria. Conserto de malas, sapatos e outros artigos. Os clientes habituais englobam profissionais sapateiros, estofadores, estilistas, encadernadores, etc… Na primeira visita à loja, pude perceber quais as condicionantes da montra. Pequena, com exposição solar intensa e uma vitrina sem protecção a raios UV, dividida por quatro elementos verticais. No exterior, uma grade de malha hexagonal que dificulta, ainda mais, a visualização para o interior.

O conceito para a montra desenvolveu-se partindo destas condicionantes. Criar impacto visual, contrapondo a luz solar, fazendo sobressair a luz do interior da montra, sem provocar encandeamento. Integrar os elementos verticais da vitrina na composição e destacar alguns objectos.

Estava lançado o desafio para a equipa com apenas dois membros. A juntar-se a mim veio a Carina Tavares, do Brasil. Carina, tal como eu, é designer de interiores e tem experiência em design de iluminação. Este workshop foi uma brincadeira divertida entre duas apaixonadas pela luz e a criação de ambientes.

Uma vez conhecida a loja e a montra a trabalhar e identificadas as condicionantes, assim como o espaço livre de trabalho, demos início à troca de impressões e ideias sobre os objectos a expor. No armazém da loja, cheio de possibilidades, fomos brincando e experimentando os efeitos da luz nos diferentes materiais. Centrando a atenção nas cinco linhas de LED azuis disponibilizadas e devidamente adaptadas pelo nosso patrocinador. Pois seriam os elementos de maior relevância na montra. A escolha do azul está relacionada com a tentativa de contrapor o branco quente para destaque de produtos.

DN_web01

Enquanto nos deslumbrávamos com a variedade de produtos, encontrámos formas de sapateiro, em materiais e configurações diversas. Concordámos, de imediato, em levá-las para o nosso “laboratório de experiências”, analisando qual seria a cor e material que melhor se destacava na luz azul. Após a escolha do produto, passámos à montra e aos testes no interior da mesma. Não foi fácil, pois o sol estava alto e foi necessário recorrer à simpática ajuda dos lojistas que cobriam a montra enquanto testávamos as luzes. Por forma a perceber como esta iria funcionar, também, à noite.

DN_web03

Fomos, assim, compondo a montra e testando qual seria a melhor forma de a destacar sem deixar que o produto se perdesse no espaço. As cinco linhas azuis no fundo da montra, destacando as cinco zonas de visualização e acentuando a profundidade do espaço, foram a disposição escolhida. Numa caixa de retalhos, de peles pretas diversas, criou-se uma composição um pouco cenográfica, em que fomos colocando os objectos de forma divertida e criando algum dinamismo na montra. Faltava um elemento na composição, um volume que lhe desse mais força. Estavam espalhadas, junto do balcão, algumas formas de sapateiro em tripé, mais uma variedade no tipo de produto e o ideal para ajudar a criar o volume que faltava. Este foi destacado pelo projector, direcionável, de luz quente branca, o contraste que procurávamos para dar força à montra.

Paula Pinote