Lisboa: Cais do Sodré

De um modo geral, temos assistido com bons olhos à restruturação da zona do Cais do Sodré em Lisboa, e, esta tendência, tem-se alastrado para as áreas circundantes. Esta zona da capital que durante o século XX serviu de zona de paragem a marinheiros, torna-se neste momento o destino nocturno de eleição dos locais da cidade e dos turistas.

Tive a oportunidade de acompanhar por perto esta transformação do Cais do Sodré uma vez que estudei durante alguns anos numa faculdade naquela zona. Nessa altura, na qualidade de estudante, evitava andar na zona bairrista do Cais durante o dia, muito menos durante a noite.

O Cais do Sodré, que tinha reputação de zona degradada, suja, isolada, insegura e mal frequentada, transformou-se num lugar popular, típico e aprazível da noite lisboeta.

Esta transformação deve-se, essencialmente, não só à requalificação dos espaços na zona ribeirinha, que foi inaugurada recentemente, onde foi prevista a construção de passeios mais largos, espaços verdes e de lazer, com novas soluções de iluminação pública, atraindo e incentivando as pessoas a transitarem durante a noite.

nl10-3a-web

Cais do Sodré, espaço público.

Esta transformação do Cais do Sodré deve-se, também, à abertura de espaços variados de comércio e de restauração, revelando uma preocupação especial na criação de bons ambientes.

Comprova-se que, tanto a nível do exterior e fachadas, como no interior dos estabelecimentos existe um cuidado e preocupação especial por parte dos proprietários em criar soluções de iluminação favoráveis e bonitas. Como resultado, estas novas iluminações de comércio e restauração, que avançam por todo o bairro, oferecem maior visibilidade a lugares mais refundidos ou destacam zonas pouco conhecidas, acabando por aumentar a sensação de segurança. Estas soluções, para além de contribuírem para uma melhoria da percepção da área urbana, melhora a relação das pessoas com a cidade, aproximando-as e atraindo-as para o espaço urbano, sendo essencial à qualidade de vida nestes centros urbanos. Não há dúvida que esta tendência acaba por se traduzir numa melhor imagem da cidade, incrementando o turismo, o comércio, e o lazer nocturno.

nl10-3b-web

Station – Restaurante-Bar. http://portugalconfidential.com/

É notório, nestes novos espaços, o recurso à tecnologia LED, Neons, técnicas de luz, que torna possível a criação de ambientes atractivos e ajustados à identidade dos estabelecimentos

Contudo, analisando o espaço em geral é possivel concluir que existe uma preocupação na utilização de boas soluções de luz, mas as pessoas parecem ainda não ter conhecimento sobre a importância da iluminação adequada para o seu negócio e menos ainda da existência de um profissional especializado nesta área. É pena que esta zona adopte soluções de iluminação que vão sendo executadas muitas vezes sem ligação aos espaços, provocando problemas de identidade, de homogeneidade e harmonia visual. Por exemplo, a iluminação do espaço público na zona do Cais do Sodré parece ser tratada de forma fragmentada e pontual deixando de parte a adopção de estratégia de iluminação global, originando problemas na percepção da escala da cidade e dificuldades a nível de manutenção.

Algumas destas zonas, como é o caso das Praças Duque da Terceira, Praça de S.Paulo, que se distinguem dos restantes espaços por serem espaços históricos e amplos, e lugares de encontro e de acontecimentos, poderiam ser tratados com soluções de luz com destaque especial e gozar de soluções criativas. Com a utilização de soluções de luz mais adequadas, seria talvez um factor determinante para a valorização arquitectónica e para que as pessoas usassem estes espaços de forma mais permanente.

Outro exemplo é o da Estação do Cais do Sodré, local onde se cruzam muitas pessoas e onde a criatividade na luz podia estar presente. A iluminação poderia realçar a arquitectura do edifício e criar melhor visibilidade no interior e em redor do edifício, transmitindo uma maior segurança e bem – estar aos utentes.

A iluminação nas cidades, deverá desempenhar um papel fundamental para orientar, destacar e definir hierarquias do espaço urbano. Através da adopção de um planeamento estratégico de iluminação, a valorização histórica das cidades poderá ser realçada e os espaços poderão ser embelezados de forma harmoniosa, evitando poluição luminosa. A iluminação arquitectural faz parte da encenação nocturna e o seu impacto visual durante a noite e os níveis de luz têm de ser calculados com rigor para não poluírem as perspectivas nocturnas.

O tema de iluminação pública urbana é extenso e complexo e é sempre necessário obter e aprofundar conhecimentos mais gerais relativamente ao espaço público, monumentos e edifícios etc.. por forma a preservar a sua identidade. A iluminação se for de qualidade não só valoriza o espaço público, como poderá ser igualmente menos consumidora de energia e mais respeitadora do ambiente.

Constata-se que esta zona do Cais do Sodré, tem caminhado passo a passo na melhoria das soluções de iluminação, tanto a nível exterior, em relação aos espaços públicos e nas fachadas dos edifícios, como no interior dos bares e restaurantes. Mas o mais importante ao desenvolver este artigo direcionado para esta zona do Cais do Sodré, foi constatar um maior interesse e preocupação por parte dos empresários em criar ambientes de iluminação confortáveis e atractivos nos seus estabelecimentos. Esta mudança e interesse origina perspectiva para a especialidade do Design de Iluminação.

Joana Forjaz

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.